Obra do DNIT pode destruir saúde financeira, psicológica e espiritual de quilombolas do interior do Maranhão

Por Sabrina Felipe

O terreiro de Tambor de Mina Nossa Senhora dos Navegantes, a Igreja do Divino Espírito Santo, uma igreja evangélica, o clube comunitário Raízes do Amor, o Centro de Referência de Assistência Social Quilombola (CRAS), a casa de cozinha coletiva, as árvores frutíferas de onde seu Chicocó, médico do quilombo, tira o substrato dos remédios naturais que prepara e usa na cura de diversos males físicos; dezenas de pequenos comércios familiares; centenas de pequizeiros, cajueiros, azeitoneiras, mangueiras, coqueiros, bananeiras e ingazeiras de onde famílias retiram seu sustento diário, seja consumindo os frutos ou vendendo o seu excedente em barracas de pau e palha à beira da estrada; matas sagradas, utilizadas em rituais religiosos de matriz africana; árvores de diversas espécies, algumas delas centenárias, que garantem sombra e amenizam o calor do asfalto num lugar onde o termômetro facilmente ultrapassa os 37 graus; mais de três centenas de casas que abrigam cerca de duas mil pessoas. Toda essa riqueza e quantidade de vida, história, cultura e ancestralidade pode desaparecer se o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) levar adiante os planos de duplicação da BR 135 no trecho de cerca de dez quilômetros em que a rodovia atravessa e engole terras quilombolas. Esse trabalho de desmonte custaria alguns dias de operação de máquinas pesadas, mas poderia destruir, de maneira irreversível, a saúde financeira, psicológica e espiritual – além de modos de vida centenários – de quilombolas de Santa Rosa dos Pretos, Barreira Funda, Picos I e II, Centro de Águida, Curva de Santana e Alto São João. Todos esses quilombos pertencem ao território Santa Rosa dos Pretos e são margeados em parte pela BR 135, que rasgou o território no início dos anos 1940.

Quem faz a análise dos impactos da duplicação são os próprios moradores do território. Desde dezembro do ano passado eles estão discutindo as ameaças sofridas pela comunidade com o empreendimento da autarquia federal. Como publicado pelo Vias de Fato, os quilombolas de Santa Rosa souberam, por acaso, de um plano do DNIT para a remoção de 345 casas margeadas pela rodovia a fim de abrir espaço para a duplicação da BR. Os documentos que traziam essa e outras informações foram conseguidos pela comunidade com o uso da Lei de Acesso à Informação (LAI).

comércios ameaçados
Pequenos comércios familiares de venda de frutas de época estão ameaçados pelas obras de duplicação. Foto: Andressa Zumpano

Contradição e inconsistência

Os estudos encomendados pelo DNIT à empresa Zago Consultoria para fins de obtenção de licenças de implantação do empreendimento são, em diversos pontos, contraditórios e inconsistentes. Em um dos trechos do documento produzido pela Zago, a empresa admite que os remanescentes quilombolas que vivem no território Santa Rosa dos Pretos são herdeiros legais daquelas terras desde 1898, e que foi a rodovia que adentrou o território centenário. “A Rodovia BR-135 está situada dentro do território da comunidade, ocupando trinta e dois hectares, quarenta e nove ares e sessenta e oito centiares, cortando parte da terra e influenciando diretamente a comunidade em estrutura, costume e o viver”, afirma o estudo. Em outro trecho, porém, a mesma Zago Consultoria, contradizendo o fato histórico de que a BR foi instalada em território alheio, diz que “com exceção da Vila Cariongo, as comunidades quilombolas [afetadas pela duplicação] estão localizadas na Faixa de Domínio [do DNIT], que é de 70 metros, sendo 35 para a direita e 35 para a esquerda. Essas comunidades e vilas terão interferência do empreendimento principalmente por ocuparem irregularmente a faixa de domínio da rodovia”.

Em outra parte, o estudo afirma: “é preciso mencionar que, uma vez que a BR 135 passa pelo interior dos territórios de várias comunidades quilombolas na região estudada, observam-se diversos espaços sagrados situados às margens da rodovia, dentro da área de servidão. São capelas, tendas de mina, áreas de mato onde se fazem trabalhos religiosos, além de casas onde realizam-se as festas de tambor de crioula. Desse modo, a duplicação da rodovia irá impactar diretamente esses espaços e, consequentemente, essas manifestações.” Contraditoriamente, no trecho onde se refere às remoções – incluindo a Tenda de Mina, as matas sagradas e as casas de uso coletivo –, a mesma consultoria garante: “A relocação dessas populações não vem a comprometer os costumes e tradições culturais.”

mae severina
Mãe Severina e o terreiro de Tambor de Mina Nossa Senhora dos Navegantes: espiritualidade quilombola sofrerá impactos negativos caso a duplicação da BR ocorra. Foto: Andressa Zumpano

Ainda no estudo que fez para o DNIT, a Zago Consultoria assegura “que a coleta dos dados quanti e qualitativos se deu em conformidade com a ética devida aos sujeitos, ou seja, plena ciência e concordância com os objetivos dessa pesquisa.” A reportagem imprimiu parte do relatório e, em visita ao quilombo de Santa Rosa dos Pretos, mostrou o conteúdo do documento a moradores e moradoras que tiveram fotos suas publicadas nele. Todos foram unânimes em afirmar que nunca receberam qualquer informação da Zago Consultoria sobre os objetivos da pesquisa ou sobre a duplicação, e nem deram qualquer autorização para o uso de sua imagem naquele estudo. E mais: em algumas fotos, moradores de Santa Rosa identificaram que as imagens eram reproduções de cenas do documentário “Guardiões de Santa Rosa”, exibido pelo Canal Futura, e para o qual, sim, deram autorização por escrito para o uso das imagens.

Em um dos estudos aos quais teve acesso, a reportagem do Vias do Fato constatou que a consultoria copiou conteúdo – de forma literal ou com pequenas modificações – de textos publicados na Wikipedia, enciclopédia online produzida de forma livre e colaborativa. Os textos identificados como cópia falavam sobre as manifestações culturais Tambor de Crioula e Bumba-Boi, e sobre a religião de matriz africana Tambor de Mina. A reportagem enviou e-mail ao diretor da consultoria, o advogado Fernando Zago Lóes Moreira, perguntando, entre outras coisas, se era uma prática da empresa realizar pesquisas na Wikipedia e copiar conteúdo para compor relatórios. Lóes Moreira não respondeu à questão.

seu benedito
“Quem invadiu nossa área foram eles”, diz Benedito Pires Belfort referindo-se ao DNIT. Família de Benedito vive nessas terras pelo menos desde o século XIX. Foto: Andressa Zumpano

Menos morte para quem?

Um dos principais argumentos do DNIT para a duplicação da BR 135 é o aumento da segurança para motoristas e pedestres. No Estudo de Impacto Ambiental (EIA) ao qual a reportagem teve acesso, a autarquia federal afirma que “a maneira mais viável de mitigar ou reduzir esse problema seria a introdução de melhorias na sinalização horizontal e vertical da rodovia nos pontos críticos.” Ainda que tal sinalização seja implementada, não há garantia de que motoristas irão respeitá-la. Em um trecho da rodovia que atravessa o quilombo Santa Rosa dos Pretos, na altura do quilômetro 88, basta uma observação de cinco minutos para flagrar dezenas de casos de visível desrespeito à velocidade limite – 40km/h em alguns trechos e 60km/h em outros –; ultrapassagens em trechos de faixa contínua; ultrapassagens pelo acostamento e a não redução de velocidade para permitir que moradores atravessem a rodovia na única faixa de pedestres existente no local.

Dados retirados do site do DNIT, que tomam por base registros do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), mostram que entre os quilômetros 85 e 93 da BR 135, que ocupam grande parte do território quilombola de Santa Rosa dos Pretos – localizado entre os kms 86 e 96, em média –, foram registrados 17 atropelamentos entre os anos 2006 e 2011, nos quais cinco pessoas morreram. No mesmo levantamento foram contabilizadas 32 saídas de pista com o saldo de duas pessoas mortas. A saída de pista é o momento em que o motorista, sem controle do veículo, avança pelo acostamento e sobre áreas além dele, onde pode haver pessoas, residências, comércio e escolas. De acordo com quilombolas entrevistados pela reportagem, muitas das saídas de pista só não viraram tragédias maiores porque foram barradas pelas árvores dos quilombos. “Um carro que vinha de São Luís perdeu o controle, passou pelo acostamento e, graças a Deus, tinha um pé de sabiá e o carro subiu e enganchou no alto da árvore. O Jorge [esposo] viu que tinha uma criança no carro, o carro ia caindo da árvore, ele tirou a criança e depois o carro foi arriando pelos galhos. Outra vez um carro perdeu o controle no quebra-mola e enganchou na mangueira. Já virou caminhão de sabão, de gás, de água mineral; uma van com 15 a 20 pessoas virou na porta de casa”, relata Anacleta Pires da Silva, de 51 anos. Jovelina do Livramento Pires Belfort, de 36 anos, que mora a cerca de 100 metros da casa de Anacleta, lembra do motorista de uma carreta que quase entrou na casa de um morador do quilombo. Mortes só não aconteceram porque um pé de manga segurou o caminhão.

Em 30 de maio de 2008, Claudiane Cabral Sales, de apenas 11 anos, foi morta quando voltava da escola, atropelada no acostamento por um motorista que fazia ultrapassagem em local proibido. “Eles dizem que vão duplicar a rodovia pra diminuir os acidentes no trânsito. Será que sou eu que causo os acidentes? É a comunidade que é responsável? Os motoristas matam os outros e é a comunidade que tem que ceder mais espaço pra quem é irresponsável?”, questiona a quilombola Josicléa Pires da Silva, de 23 anos. “Se as pessoas são imprudentes agora, elas vão ficar mais [com a duplicação]. Se você não consegue ser responsável com uma coisa pequena, você não vai ser responsável com uma coisa grande”, argumenta Josicléa.

O Vias de Fato entrevistou o engenheiro civil, consultor e mestre em Transportes Rodoviários pela Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo) Helcio Raymundo, e perguntou a ele se, de fato, a duplicação de uma rodovia pode torná-la mais segura. Em relação ao tráfego de veículos, o consultor diz que, em teoria, qualquer tipo de ampliação com duplicação em que se substitui a pista simples pela dupla, há uma redução da quantidade e gravidade dos acidentes. “Na pista simples você tem normalmente colisão frontal, o que você não tem na pista dupla”, explica. Helcio, porém, sem entrar no mérito da duplicação da BR 135, diz que, na prática, não basta apenas a duplicação para garantir segurança viária. O empreendimento, diz ele, precisa estar integrado a um planejamento geral da região onde incide, com melhorias de rede e vinculação ao sistema viário local, estadual e de outros municípios.

Questionado se a duplicação de uma BR também aumentaria a segurança dos pedestres que são obrigados a atravessá-la, o consultor diz que em teoria sim, mas que na prática a duplicação é uma faca de dois gumes. “O projeto tem que ser muito cuidadoso para não piorar as coisas. Como você faz as travessias? Vai ter passarela? Vai ter passagem inferior? O projeto tomou cuidado com essa interface urbana? Muitos projetos dizem que não se pode gastar mais do que um valor determinado, e aí acaba se fazendo não o necessário, mas o possível. Essa é a minha preocupação. Esse aspecto merece muita atenção”, ressalva Helcio.

Segundo quilombolas, além da irresponsabilidade de motoristas, a omissão do próprio DNIT também é causa das mortes por atropelamento na BR 135. Eles afirmam que a autarquia federal não realiza obras de segurança necessárias para o pedestre, como a instalação de quebra-molas e faixas de travessia. “Não tem nada. Esses quebra-molas que a senhora vê foi uma exigência muito grande, precisou que nós fechasse a BR pra ter esses quebra-mola. Eram cinco, deixaram três, e com espaço longe. O interesse deles é matar, é acabar com a população”, diz Benedito Pires Belfort, de 75 anos. De acordo com ele e Anacleta, de 2005 até hoje os moradores do território, por duas vezes, bloquearam a BR 135 em protesto. A primeira vez em função da morte de um bebê recém-nascido afetado pela poeira levantada durante recapeamento da BR; na segunda, para exigir a construção dos quebra-molas após a morte por atropelamento de uma criança.

Captura de Tela 2018-01-08 às 17.30.52
Em Açailândia, Maranhão, aciaria privada retirou quebra-molas da BR 222 com anuência do DNIT. Objetivo era facilitar passagem de caminhões da empresa. Foto: Divulgação
Captura de Tela 2018-01-08 às 17.31.35
Aciaria reconstruiu quebra-molas retirados com curvatura mínima, sem efeito prático para a redução de velocidade na BR 222. Foto: Divulgação

Em dezembro de 2015, durante realização de documentário no município de Açailândia, no Maranhão, a repórter flagrou e registrou funcionários de uma aciaria privada retirando, com anuência do DNIT, alguns dos quebra-molas instalados em trecho de pista simples da BR 222. Os quebra-molas foram retirados para facilitar a passagem de caminhões que transportam ferro líquido – a mais de 1000 graus celsius – para a aciaria. Naquele trecho, a BR 222 em Açailândia é muito semelhante à BR 135 que corta o território quilombola de Santa Rosa dos Pretos, em Itapecuru-Mirim: pista simples que margeia casas, comércios, unidades de saúde e ensino, igrejas e outros locais de uso público coletivo. Os quebra-molas retirados eram fruto da reivindicação dos moradores ao DNIT, que só os instalou após protestos e mortes por atropelamento. Em substituição aos obstáculos retirados, a aciaria construiu quebra-molas com curvatura quase imperceptível aos veículos – especialmente àqueles cujos motoristas não respeitam limites de velocidade.

No Estudo de Impacto Ambiental da duplicação da BR 135 produzido pelo DNIT e acessado pelo Vias de Fato, o jornal identificou, em um documento de 636 páginas, a ocorrência da palavra veículo/s [automotivo] pelo menos 60 vezes; a palavra pedestre foi encontrada 2 vezes.

seu libanio
Libânio Pires: ancião de Santa Rosa dos Pretos tem histórico de luta contra apropriação de terras quilombolas por fazendeiros, empresas e poder público. Foto: Andressa Zumpano

Seis de dois mil

Uma das informações que mais chamou a atenção dos moradores de Santa Rosa dos Pretos foi o número de quilombolas ouvidos no território para a produção do estudo do DNIT: seis pessoas, em um universo de pelo menos duas mil – se for considerado apenas o quilombo Santa Rosa dos Pretos. O número aumenta expressivamente se forem contabilizados os quilombos Barreira Funda, Picos I e II, Centro de Águida, Alto São João e Curva de Santana. Ao todo, a Zago Consultoria afirma ter aplicado 37 questionários para a produção do estudo Componente Quilombola. “A amostragem foi realizada em conformidade com a população das seis comunidades quilombolas localizadas às margens da rodovia, sendo: 13 em Outeiro dos Nogueiras, 7 em Pedreiras, 6 em Santa Rosa dos Pretos, 5 na Vila Cariongo, 4 na Vila Fé em Deus e 2 em Santana”, diz o estudo. Também por e-mail, a reportagem perguntou ao diretor da Zago Consultoria se ouvir 37 pessoas seria um número expressivo para um empreendimento da envergadura da duplicação da BR 135, mas ele não respondeu à questão.

Além dessas contradições e inconsistências, a reportagem do Vias de Fato apurou evidências de irregularidade nas obras de duplicação onde estas incidem sobre território quilombola. O jornal questionou a SEMA (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão) sobre isso. A secretaria afirmou que abriu processo administrativo para apurar “possível irregularidade ambiental” cometida pelo DNIT, mas que durante a fiscalização em território quilombola não constatou irregularidades.

O que os estudos afirmam sobre os quilombolas… e o que estes dizem por si mesmos

Ao longo de três dias, a reportagem do Vias de Fato visitou e entrevistou mais de 20 moradores do território de Santa Rosa dos Pretos. Um dos pontos principais da entrevista foi perguntar o que eles achavam de algumas afirmações contidas nos estudos do DNIT que foram feitas, supostamente, a partir de dados coletados no território. A seguir, confira algumas das afirmações presentes nos estudos, transcritas aqui de forma literal, e as falas em primeira pessoa dos entrevistados.

Valeria Silva Gonçalves
“A gente tem que parar eles [DNIT], pra eles deixar a gente no lugar onde nós tamos”, diz Valéria Silva Gonçalves. Foto: Andressa Zumpano

ESSAS COMUNIDADES E VILAS TERÃO INTERFERÊNCIA DO EMPREENDIMENTO PRINCIPALMENTE POR OCUPAREM IRREGULARMENTE A FAIXA DE DOMÍNIO DA RODOVIA (DNIT)

“Quando o DNIT chegou aqui já achou nós. Eles invadiram como coisa que é deles. Aí a estrada foi crescendo, crescendo, hoje ela é federal e o governo federal tá fazendo tudo pra tirar nós daqui, sem ter comprado, sem ter alugado, sem ter uma benfeitoria. Eles não respeitam a área de quilombo, eles invadiram, eles não conversam com pessoa nenhuma. Quando chegam já é pra destruir.”

Francisco Pires, seu Chicocó, 60 anos

“Quem invadiu nossa área foram eles. A gente conhece a área como nossa, e eles nunca pagaram indenização por essa estrada [que já foi feita]. Se tirar 345 casas, onde esse povo vai morar? Ninguém aqui é rico, é tudo trabalhador de roça. Eles estão completamente errados.”

Benedito Pires Belfort, 75 anos

“Uma vez eles [funcionários do DNIT] perguntaram pra mim se a gente tinha terreno pra mudar a casa. Eu disse que tinha o quintal da gente, mas aqui tudo é nosso terreno. A gente tem que parar eles, pra eles deixar a gente no lugar onde nós tamos.”

Valéria Silva Gonçalves, 61 anos

“Eu acho muita covardia [o DNIT dizer que os quilombolas são invasores].”

Paulo Leonel Pires, 93 anos

“Se essa tenda cair, não sou só eu que vou cair, mas muita gente. E a gente não tá querendo cair, a gente quer se erguer. Eles não sabem o que significa essa tenda, minha casa, a casa dos meus companheiros. Invasores são eles [DNIT], que chegam sem mais nem menos dizendo que vão derrubar.”   

Mãe Severina Silva, 64 anos, Mãe de Santo da Tenda Nossa Senhora dos Navegantes

“Tenho 74 anos e estive sempre aqui. Isso era um matagal. Aí foi mudando, até quando romperam essa estrada. Vão dizer que somos invasores. Isso é quilombo! E é velho! O DNIT é novo pra nós aqui. Aquele pé de piqui ali é mais velho do que meu avô. Eles não tiram esse pé de piqui aí não. O tanto de casa que eles querem afastar, você é louco.”

Ilário Pires, 74 anos

seu jovencio
“Com duas BR a situação vai ficar mais difícil”, diz Jovêncio Pires. Foto: Andressa Zumpano

DESTACA-SE QUE A DUPLICAÇÃO DA BR 135/MA É VISTA DE MANEIRA POSITIVA PELA MAIORIA DOS HABITANTES, UMA VEZ QUE TRARÁ MAIOR SEGURANÇA NA RODOVIA (DNIT)

“Não é verdade. Só essa mão aqui já matou várias pessoas, com a duplicação vai acabar com o resto do povo.”

Bernarda Pires Ribeiro, 53 anos

“A gente criava era galinha, porco, cachorro, tudo. Hoje nem criar a gente pode, tem que criar é preso, se não prender morre na estrada. Com duas BR a situação vai ficar mais difícil.”

Jovêncio Pires, 84 anos

“A duplicação pra gente não precisa, vai ser um caos na vida da gente, redobra a atenção da gente com as crianças. Acho que diminui acidente entre carros, mas pro pedestre fica pior. Estudo dá formatura, mas não dá respeito e nem ensina ninguém a ser educado. Essas pessoas são muito ignorantes, porque não reconhecem nem o humano que eles são, porque se reconhecesse mesmo, eles entendia nóis.”

Raimundo Enedino Pereira, 61 anos

“É muito difícil a zuada, a poluição, mesmo com as árvores, risco de acidente, pessoas que já morreram, os animais também. É muito ruim. Com uma [pista] a gente já vê que não respeitam sinalização, a velocidade é imensa, risco de o carro entrar na casa de uma pessoa, imagine duas. A gente não pode mais criar uma galinha, um porco, nada, porque passam muitos caminhões de grãos, e os bichos vão pra BR ciscar [no acostamento] em vez de ir pro quintal.”

Jovelina do Livramento Pires Belfort, 36 anos

“Pra eles pode aumentar a segurança, mas pra nós do quilombo não vai aumentar a segurança, vai aumentar a destruição, e a primeira são os pé de árvore. Quantas vida eles não vão destruir? Quando eles passar trabalhando, a poeira vem imensa, vai adoecer as criança.”

Maria de Jesus Belfort Ferreira, 63 anos

“A questão do impacto não vai ser só a morte, tem o pensamento e o sentimento. Nosso emocional tá acabado. A gente vive à flor da pele com buzina de carro e freio. A mente da gente, na hora que ouve um freio na estrada já sai correndo. Quantas vezes as pessoas que moram aqui já largaram a comida na mesa e saíram correndo pra ver em quem o carro bateu. Tem uns que pegam essa buzina, ligam lá na baixa da égua e vem gritando. A gente fica todo se tremendo. Mataram uma mulher de resguardo – o carro passou num buraco, o pneu saiu e matou a mulher na barraca na BR. Perto da casa de Benedito tem um homem que perdeu o filho na travessia, era garotinho. O caso da menina [Claudiane Cabral Sales, de 11 anos], ela voltava da escola, já tava entrando no caminho [de casa] e o carro pegou ela no acostamento. Teve Zezinho, titio Domingueira, o meu padrinho foi carro que matou. O irmão dele foi carro que matou. O finado Albino, Mundico, cumpadre Sebastião, nosso mestre de tambor, Damásio do sítio. Luciano, Carlinhos, Zeca, Mazorca, Dédi, os dois de Miranda… ahh, minha filha, se nós for contar aqui vai dar bem mais de 50 [pessoas mortas por atropelamento na BR]. É uma análise muito profunda e dolorosa essa que a gente faz de eles quererem responsabilizar a gente dizendo que a duplicação vai ser lucro e segurança pra nós, porque não vai ser, vai ser desespero. Não tem que duplicar. É ignorância do ser humano querer continuar aumentando o sofrimento de um povo.”

Anacleta Pires da Silva, 51 anos

“Uma pista dessa largura já dá o desastre que dá, que dirá uma pista como eles querem, larga, aí é que os carros correm e matam os pobres.”

Francisco Pires, seu Chicocó, 60 anos

foto 1
Raimundo Nonato Pereira, de Santa Rosa dos Pretos, durante conversa com a comunidade para discutir a ameaça da duplicação da BR. Foto: Andressa Zumpano

CABE RESSALTAR QUE TODAS AS COMUNIDADES, QUILOMBOLAS OU NÃO, QUE ESTÃO LOCALIZADAS NA FAIXA DE DOMÍNIO SERÃO ATENDIDAS PELO PROGRAMA DE INDENIZAÇÃO/REASSENTAMENTO E DESAPROPRIAÇÃO (DNIT)

“Não se trata de indenizar. É como se eles viessem oferecer algum troco pela minha vida. Viver é mais importante do que ter qualquer papel, porque dinheiro pra mim é isso: é um papel que foi designado um valor pra ele. A única coisa que vale é a minha vida, a minha casa. Eles não vão indenizar as lembranças que eu tenho, os machucados que eu tenho, os risos, os choros, nada disso. Pra eles, é só uma construção, enquanto que pra mim é a minha vida inteira aqui. E a própria casa é viva, não só pelas minhas lembranças, mas pelas de todo mundo. Essa história de indenização é uma piada.”

Josicléa Pires da Silva, 23 anos

AS OBRAS DE MELHORIAS SÃO UMA REIVINDICAÇÃO ANTIGA DOS MORADORES DOS MUNICÍPIOS DE ANAJATUBA, BACABEIRA, ITAPECURU-MIRIM, SANTA RITA E MIRANDA DO NORTE, QUE A UTILIZAM PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS E DESLOCAMENTO DA COMUNIDADE (DNIT)

“A gente não faz escoamento de produção. A única coisa que se faz é andar no transporte. A gente também não tem segurança no trânsito, porque tem uns [motoristas de vans coletivas] irresponsáveis que não respeita o limite de velocidade, é uma competição, tem que chegar antes pra voltar antes porque o dinheiro tem que render na mão deles. A gente já teve que descer do transporte [coletivo] e ir a pé pro lugar.”

Anacleta Pires da Silva, 51 anos

“A gente não tem necessidade da duplicação. Eles fazem isso agora, de pedir pra gente afastar a casa. E se daqui cinco anos a necessidade deles for de dizer pra gente afastar de novo? E se depois em outros cinco anos eles vierem de novo? Não vão passar agora [com a duplicação] que é pra não passar nunca mais. Não era nem pra ter passado essa [estrada] aí. A gente vivia muito bem até. Depois dessa desgraça aí foi só preocupação pros outros. O tanto de gente que já morreu.”

Josicléa Pires da Silva, 23 anos

“Nunca me lembro de ter sentado com o DNIT e o DNIT ter proposto algo nesse sentido [da duplicação]. E faz um tempo que tô no movimento [social], desde que era menor de idade. Nunca saí daqui pra morar em outro lugar. Quando a gente soube da duplicação a gente sempre ficava com a preocupação sobre o que iam fazer no nosso quilombo, que a gente não ia aceitar desmatar, prejudicando as pessoas. As árvores servem até de sustento pra algumas famílias.”

Jovelina do Livramento Pires Belfort, 36 anos

ilario pires
“Tenho 74 anos e estive sempre aqui. Isso era um matagal. Vão dizer que somos invasores. Isso é quilombo! E é velho!”, afirma Ilário Pires. Foto: Andressa Zumpano

APESAR DAS VULNERABILIDADES APONTADAS, ENTENDE-SE QUE A IMPLANTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO NÃO PROVOCARÁ IMPACTOS DE GRANDE MAGNITUDE PARA A ÁREA, VISTO QUE A RODOVIA JÁ SE ENCONTRA EM OPERAÇÃO E ANALISANDO A ATUAL SITUAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO E AS INTERVENÇÕES QUE SERÃO FEITAS PELO PROJETO, ALTERAÇÕES NO AMBIENTE SERÃO MÍNIMAS (DNIT)

“As árvores são a nossa natureza. Como ficar sem as árvores aqui no quilombo? Vai ser muito mais calor. O DNIT quer destruir isso. A gente vai se sentir muito ofendido.”

Maria de Jesus Belfort Ferreira, 63 anos

“Desde que as mangueira começaram a botar, as azeitona, eu comecei [a vender], tem mais ou menos uns 10 anos. Eu que plantei minhas mangueira. Eu não vou aceitar isso assim [a retirada das árvores]. O que a gente vai fazer sem essas árvores, isso é vida aqui. Tenho manga manteiga, manga espada, manga de fiapo, tem caju que vai sair.”

Bernarda Pires Ribeiro, 53 anos

“Sou contra a duplicação porque aqui na minha porta tem uns pé de árvore que eu plantei, eu conservo, eu que limpo. Eu tenho um pé de manga, de caju, de azeitona. Faz um sombreio, a gente senta debaixo, os bichos mariscam de baixo. Esse pé de árvore de azeitona a gente faz remédio dele. A gente faz xarope da casca da azeitona pra diabetes. Do entrecasco do pé a gente também faz. Quando é tempo de fruta, a gente come, vende e dá pra qualquer pessoa. Toda as pessimidade hoje que nós pobre estamos passando é o governo, que não ajuda o pequeno agricultor. O governo federal não ajuda em nada. Aí a gente planta um pé de caju, um pé de banana, um pé de manga e ele destrói.  O DNIT vem, acaba com tudo, derruba, destrói, e fica só esse poeirão pra gente e fica só sofrimento. Aí aparece uma gripe, uma tuberculose, não sabe o que é, mas é a poeira.”

Francisco Pires, seu Chicocó, 60 anos

foto 4
Gregório Pinto Pires, de Santa Rosa dos Pretos, discute os impactos das obras do DNIT para a vida dos quilombolas. Foto: Andressa Zumpano

Esta é a terceira de uma série de quatro reportagens produzidas sobre o tema pelo Vias de Fato. A primeira pode ser lida aqui, a segunda aqui e a quarta aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s